É na noite

É na noite, que reflicto,
No seu silêncio me busco,
Na sua escuridão me perco.

É na noite, que me descubro,
Nos sonhos que já esqueci,
Naqueles “ses”, que nunca vivi!
Que me contento e alegro,
Pelo desafio do que tentei,
Por tudo o que já alcancei.

É na noite que a beleza se revela,
Na simplicidade, genuína e bela,
Que na azáfama, triste desvanece!
Entre insónias, penso e divago,
No porquê de ser sombria e fria,
Na sorte de a seguir, mais um dia

É na noite, que sossego,
Acalmo medos, saudades,
Anseios ocultos, que carrego.
Que com o passar, forte me faço,
Me encho de coragem e ousadia
Porque amanhã também é dia.

Anúncios